Artigos. O que eu tenho a ver com a poluição ambiental?
Esta é uma das perguntas mais desafiadoras para uma pessoa do século XXI. Como pais, sentimo-nos na obrigação de dar uma resposta que envolva nossos filhos com a proteção ao meio ambiente. Apresentamos aqui alguns pontos fundamentais para discussão em família.

Um problema de todos
O fato de os seres humanos fazerem parte do ambiente em que vivem é um dos primeiros aspectos a serem abordados em uma conversa com seus filhos. Diariamente, utilizamos recursos naturais para executar todo tipo de tarefas. Quando alguma dessas atividades modifica negativamente as condições naturais, produz-se um problema ambiental.

Todos somos responsáveis pelos problemas ambientais, apesar de nem sempre sermos sua causa direta. Por exemplo, se uma pessoa joga lixo quase todos os dias na rua, é responsabilidade dos vizinhos alertá-la sobre os danos causados por tal atitude. Se o comportamento não mudar, é preciso denunciar o fato às autoridades competentes. A omissão também é prejudicial.

Como evitar a poluição do ar?
Nas grandes cidades, o ar costuma ser contaminado e pode prejudicar a saúde das pessoas. As principais fontes de poluição são os gases tóxicos produzidos por veículos motorizados e fábricas.

Existem soluções para este problema, como o uso de filtros que "limpam" os gases antes de lançá-los à atmosfera. A ação preventiva mais importante é reduzir o uso do automóvel. É responsabilidade dos pais incentivar as crianças, desde pequenas, a se deslocar a pé ou de bicicleta em distâncias curtas, ou a utilizar os meios de transporte coletivo. Vale lembrar a importância do exemplo dos adultos para a aprendizagem.

Como ocorre a poluição sonora?
Em muitas cidades, o deslocamento de automóveis e pessoas, ou a presença de máquinas trabalhando, geram ruídos prejudiciais à saúde. O ouvido humano consegue suportar determinados níveis de ruído que, se ultrapassados, podem gerar distúrbios na audição. Por isso é importante evitar a poluição sonora. No entanto, a exposição a sons ensurdecedores não é um problema exclusivo de espaços públicos. Muitas crianças se acostumam a ver TV ou ouvir música em um volume muito alto. Com o tempo, a audição pode ficar comprometida. É preciso habituar as crianças a se esforçar para escutar em vez de aumentar o volume, o que também favorecerá sua concentração.

O que fazer com o lixo?
O lixo é uma das principais fontes de contaminação nas cidades. Quanto maior a cidade, maior o consumo de seus habitantes e a produção de lixo. Se for descartado em locais inadequados, contamina o solo, o ar e a água. As autoridades são responsáveis pela destinação dos resíduos em locais apropriados.

Entretanto, os habitantes também têm sua parcela de responsabilidade, que devem transmitir aos filhos. Por exemplo, em casa deve-se ensinar a reduzir o consumo de sacolas plásticas, deixar o lixo na rua nos horários previstos para evitar que se espalhe pela rua e reutilizar tudo o que for possível.

Reciclar: o princípio dos 3Rs
A ação mais eficiente que podemos adotar para reduzir a poluição ambiental é reciclar, ou seja, transformar um produto já utilizado em matéria-prima.

A reciclagem se baseia no princípio dos 3Rs.

Em primeiro lugar, reduzir a produção e o consumo de objetos que não podem ser recuperados ou reutilizados. Um exemplo: como os brinquedos geralmente são movidos a pilhas e baterias, use pilhas recarregáveis e fale com seus filhos sobre a importância de limitar seu uso para reduzir o impacto sobre o meio ambiente.

Em segundo lugar, reutilizar produtos, seja para a mesma finalidade ou não. Uma boa forma de aplicar esse conceito é escolher garrafas de plástico retornáveis em vez das descartáveis.

Por último, reciclar materiais por meio de processos que permitam prolongar sua vida útil. Para isso, acostume seus filhos, desde pequenos, a separar o lixo orgânico do inorgânico, e também a separar este último entre papel, plástico, metal, etc. Se não houver coleta seletiva de lixo em sua cidade, ao menos você estará treinando seus filhos para serem bons recicladores no futuro.
Artigos relacionados
Quem leu isto também leu...