Artigos. O que fazer diante das brincadeiras bélicas?
Esta é uma pergunta que todos os pais se fazem, apavorados, no primeiro dia em que veem seu filho com uma arma de brinquedo na mão. Apresentamos aqui algumas repostas que os ajudarão a refletir sobre esta questão.

Meu filho, meu pai, meu avô
Sem dúvida, hoje em dia as crianças têm contato diário com imagens de violência. Basta ligar a TV ou entrar no mundo dos videogames para comprová-lo. Entretanto, as brincadeiras bélicas não são uma exclusividade dos dias atuais. Nosso pais e avôs também brincavam de guerrear. É possível que os personagens e os objetos fossem diferentes, mas estes jogos cumpriam a mesma função: imitar comportamentos agressivos de outros para expressar a própria agressividade.

Função da brincadeira
Convém recordar que a brincadeira exerce uma função simbólica, ou seja, permite à criança "fazer de conta" dentro de seu mundo de fantasia. Desta forma, ela experimenta comportamentos ou realidades de outras pessoas e outros mundos, reais ou imaginários.
Por exemplo, o menino pode fingir ser um guerreiro medieval ou um super-herói que luta contra o mal e, depois de algum tempo, ser um ladrão que foge da polícia em um videogame.

Por outro lado, a brincadeira tem o poder de fazer desaparecer, mesmo que por um instante, tudo o que perturba ou contrarie seus planos. Daí a atração que exercem os jogos de luta. No entanto, isso não significa que esta experiência formará sua vida futura. Ela terá a mesma duração da brincadeira.

Vale a pena proibir?
A primeira coisa a levar em conta, ao se fazer esta pergunta, é que a agressividade é própria da natureza humana. Consequentemente, ela não desaparecerá porque sua forma de expressão foi limitada.
É muito comum observar crianças que não possuem brinquedos bélicos brincando com um galho de árvore como se fosse uma arma, ou inventando batalhas próprias de dos videogames.
É importante considerar que as brincadeiras bélicas ajudam a criança a canalizar impulsos agressivos, evitando que se manifestem por meio de brigas com seus irmãos e colegas. Elas também contribuem para tornar mais suportável o temor diante de situações violentas do cotidiano, como roubos e sequestros, na medida em que a criança as dramatiza.

Conselhos úteis
O melhor é educar com o exemplo. De nada serve proibir as brincadeiras bélicas se em casa existem atitudes de falta de respeito e agressividade. É preciso ensinar a criança a resolver suas diferenças de forma pacífica, por meio do diálogo.
É importante explicar a ela quais são os limites da brincadeira e que ela não deve se ferir, nem ferir os outros.
Enfatize, sempre que possível, que se trata de uma brincadeira. A partir dos três anos, as crianças já sabem distinguir entre fantasia e realidade.
Acima de tudo, encoraje os valores da amizade e da cooperação. Assim a criança poderá deixar em segundo plano a tendência natural à competição e à rivalidade. Na verdade, o que é preciso combater é a agressividade, não as armas que a expressam.

Perguntas aos pais
Se seu filho passa o dia todo brincando de guerra, é preciso refletir sobre esta atitude.

- Ele não sabe como expressar seus sentimentos?
- Pode estar reprimindo suas agressividade natural para agradar aos demais?
- Ele dispõe de espaço e tempo suficientes para canalizar suas energias, fazendo
esportes ou frequentando um parquinho?
- Ele costuma presenciar discussões dentro de casa ou em outros lugares que
visita?
- Passa tempo demais assistindo à TV?

Lembre-se, o mais importante é dialogar. À medida que fizer isso, você conhecerá melhor seu filho e saberá se ele pode estabelecer corretamente o limite entre fantasia e realidade. Por sua vez, ele se sentirá amado e ouvido, e recorrerá a você para resolver qualquer situação de conflito que o perturbe.
Artigos relacionados
Quem leu isto também leu...